Aumento de Imposto para Notebooks, Smartphone e PCs

Aumento de ImpostoEstá pensando em comprar um smartphone, tablet ou computador? A tendência é que estes produtos, já afetados pela cotação altíssima do dólar perante o real, fiquem ainda mais caros dentro de pouco tempo. Isso porque deve aumentar a carga tributária sobre aparelhos eletrônicos.

O que já foi efetivado por meio de uma medida provisória, e entra em vigor a partir de dezembro. Prepare o bolso, pois é provável que os preços de celulares intermediários subam em quase 10%.

Em função da mudança, é provável que os modelos mais vendidos no país acabem sofrendo reajustes.

Com a decisão do governo, a taxa de PIS/Cofins sobe de 0% para 3,65% para empresas com lucro presumido, e de 0% para 9,65% para empresas com lucro real. Por conta da chamada "Lei do Bem", essa tributação é abatida de empresas que fabricam seus produtos no Brasil e os colocam no mercado custando, no máximo, R$ 1.500, entre outras exigências mais específicas.

Para se beneficiar da isenção de impostos, as fabricantes reduzem os preços e conseguem vender mais, equilibrando a relação custo-lucro na produção. Também é por isso que tantas marcas passaram a fabricar mais produtos em território nacional.

"Relembrando que o mês passado que o Brasil ficou de fora do acordo que derruba preços de produtos de tecnologia que eliminaria tarifas de importação de mais de 200 produtos do mercado de tecnologia, videogames e semicondutores. O pacto deve foi assinado  por 80 países na primeira grande negociação de tarifas na Organização Mundial do Comércio, a OMC, em 18 anos.Isso porque o Brasil negou os termos do Tratado Internacional de Tecnologia da Informação durante o processo de constituição do projeto de insenção de tarifas. Segundo o presidente da Abinee (Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica), Humberto Barbato, o país nunca almejou ingressar nesse acordo já que isso prejudicaria a indústria nacional frente aos baixos custos dos produtos chineses.

Aumento de Imposto Smartphone
"Nunca quisemos participar do tratado. Se isso acontecesse, praticamente não teríamos mais indústria eletroeletrônica no país", diz ele, tentando explicar que o cenário de preços baixos na China, alto custo de produção no Brasil e o câmbio valorizado é amedrontador para a economia nacional.

Mas por quê aumentar mais ainda os Impostos ?

A situação atual da economia brasileira é o principal motivo para a revisão dos impostos. Com déficit de quase R$ 30,5 bilhões para 2016 - ou seja, a União prevê que vai gastar mais dinheiro do que conseguirá arrecadar nos próximos 12 meses.

Para o presidente da Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica (Abinee), Humberto Barbato, a volta da tributação sobre eletrônicos é o mesmo que "condenar o país ao atraso". "O grande prejudicado será o consumidor, para quem a isenção do PIS/Cofins é totalmente repassada, através da redução dos preços dos produtos", disse ele em nota.

A medida provisória tem 60 dias para ser votada na Câmara dos Deputados e no Senado, mas o prazo pode ser prorrogado. Resta ao consumidor esperar a posição do Congresso e a reação das fabricantes.

 

 

Fonte: Olhar Digital

 

Categoria: Notícia
Tags: Aumento de Imposto, Tecnologia, Informática, Smartphone, Computadores, Tables, Imposto, Governo, Brasil, Humberto Barbato, Abinee

Enviar comentário

voltar para Notícias

c10nwse tsN fwR|left tsN|fsN tsN fwB center show|c10||image-wrap|news|fsN fwR tsY c10 sbse uppercase|b01 normalcase tsY c10 bsd|login sbse c05|normalcase fwR tsY c10|signup|content-inner||